* Capítulo 5: ABRAÇA-ME MUITO FORTE / VIDA E MORTE *

by FERNANDA (no login)

 
CAPÍTULO V

CENA 1.
Juliana percebe que seu dinheiro acabou e não tem mais como pagar o hotel.

CENA 2.
No povoado...
Efigênia conta a Célia toda a sua situação e a prefeita tenta ajudá-la oferecendo sua casa e um trabalho na feira municipal.
- O quê? Nunca! Prefiro morrer de fome a me transformar numa feirante!
- Efigênia, este é um trabalho tão digno como qualquer outro! Eu sempre fui feirante e mesmo assim nunca me envergonhei.
- Ah, Célia, você agora é a prefeita da cidade!
- É, mas nem sempre foi assim. Além disso, eu nunca esqueci minha origem simples.
- Bom, isso é, mas...
Efigênia continua mostrando-se inconformada, mas acaba se convencendo de que esta é a única maneira de sobreviver dignamente e adaptar-se a sua nova condição, embora não pretenda se resignar, e sim lutar por seus direitos.

CENA 3.
Miami...
Rodrigo chega em casa todo machucado. Dolores, sua madrasta, tenta ajudá-lo, mas ele a empurra, dizendo que nunca vai aceitá-la.
- Ah! Você não passa de uma estranha pra mim!
- Rodrigo...
- Sai, eu não quero que encoste nenhum dedo em mim!
Ele vai para o quarto e deixa Dolores desconfortada.

CENA 4.
Vila Formosa...
Um novo grupo de residentes da faculdade de medicina chega ao hospital da cidade e é apresentado ao diretor e aos médicos. Angélica, Vítor, Natália, Juliano e Aldo são os novos médicos-residentes do local.

CENA 5.
Juliana volta à vila para se certificar que Diana está morta e Verônica percebe que se trata de sua tia. Ela, então, resolve pôr sua vingança em prática.
- Diana! Até que enfim você saiu do hospital! Por onde andou?
Com medo de ser descoberta, e sem ter onde ficar, Juliana decide se passar pela irmã mais uma vez.
- Venha, vamos conversar. Eu deixei o quarto do jeito que você gosta.
- Ah... claro, vamos...

CENA 6.
Maria do Carmo e Regina se encontram na universidade e Regina pergunta como vai o casamento.
- Vai muito bem, Regina. E você, o que tem feito?
- Estudado muito... Maria do Carmo, eu... eu sinto muito pelo que aconteceu no passado. Espero que não continue levando isso em conta...
- Claro que não, Regina. Esquece. Eu falei com o Carlos Manuel e ele me contou o que conversaram. Sabe, fiquei muito feliz com a sua atitude, de verdade.
- Amigas?
- Amigas!
As duas sorriem e seguram-se as mãos.

CENA 7.
Angélica vai à sala de Carlos Manuel para providenciar uns papéis e fica fascinada com o médico.

CENA 8.
Verônica conversa com Juliana como se fosse Diana:
- Sabe, Diana, eu não esqueci do que você me pediu.
- Ahh... é mesmo? Que bom...
- Sim, eu já bolei um plano pra matar sua irmã sem deixar pistas.
- Ah... matar minha irmã... mas como você vai fazer?
- Bom, isso eu prefiro não dizer ainda. Sabe como é... se disser antes, não dá certo!
- Está bem...
- Eu só posso te dizer que logo vou executar meu plano, nem que seja a última coisa que eu faça na vida!
- E... e por que, por que tanto interesse nisso?
- É que eu dou minha vida no que faço, Diana.
Juliana se mostra um pouco preocupada mas tenta disfarçar sua ansiedade.

CENA 9.
Cristina conta a Maria do Carmo que sonhou com Frederico.
- Mamãe, por favor, não fique tão abatida.
- É que só de pensar no Frederico Rivero sinto arrepios.
Maria do Carmo a abraça e a pede que esqueça o passado.

CENA 10.
Regina conhece os residentes e acaba contando a Angélica que Carlos Manuel é casado e tem um filho de pouco mais de um ano. Angélica disfarça mas sente uma certa decepção com a novidade.

CENA 11.
Dias depois...
Verônica vê Juliana trocando de roupa e a questiona.
- Aonde foi parar aquele sinal enorme que você tinha nas costas, Diana?
- Ah... o sinal... o sinal... é... é... o sinal eu tive que retirar numa operação quando estive internada no hospital...
- Nossa, mas com que grana você conseguiu isso???
Pensativa, Juliana nada responde. Verônica, então, grita:
- Olha, não adianta mais fingir! Eu já sei que você não é a Diana! Eu sei que você se chama Juliana e que foi você quem matou a verdadeira Diana. Mas agora chegou sua hora, maldita! Eu vou acabar com você!
Juliana fica completamente sem ação.

CENA 12.
Max desmaia uma vez mais.

CENA 13.
Verônica aponta uma arma para Juliana e ela sai correndo. Verônica corre atrás dela e as duas acabam pegando o mesmo táxi. Juliana fica desesperada e pede para o motorista parar o carro. Verônica, ainda com a arma na mão, avisa ao taxista:
- Escuta aqui, se você parar esse maldito carro você morre, seu imbecil!
- Não senhorita, por favor!
- Então vai em frente!
Nervoso, o motorista continua dirigindo o carro.

CENA 14.
Maria do Carmo cuida de Manuel Frederico enquanto Cristina lê em seu quarto.

CENA 15.
Juliana pergunta a Verônica por que quer matá-la.
- Porque você matou a Diana! Maldita!
- Mas por que se interessa tanto pela Diana? Eu não entendo...
- Diana era a minha mãe! Minha mãe!
Juliana fica chocada.

CENA 16.
Angélica vai até a fazenda e vê Maria do Carmo brincando com Manuel Frederico.
Maria do Carmo pede ao menino para chamar Cristina e ele vai. Angélica o segue sem que ninguém perceba.

CENA 17.
Juliana tenta tomar a arma de Verônica e as duas brigam. O motorista perde o controle e o carro cai num precipício e explode, segundos depois.



Posted on Jul 24, 2002, 4:18 PM
from IP address 200.208.245.2


Respond to this message

Return to Index

Create your own forum at Network54
 Copyright © 1999-2014 Network54. All rights reserved.   Terms of Use   Privacy Statement